Sábado, 22 de Janeiro de 2011

CRIME DE NOVA YORK

É COMO SEGUE O TEXTO PUBLICADO HOJE, DIA 22 DE jANEIRO DE 2011, PELO DIÁRIO DE NOTÍCIAS:

 

Tenho lido algumas notícias sobre a tragédia que se abateu sobre Carlos Castro, o cronista social homossexual assumido e Renato Seabra, o jovem heterossexual, em busca de um lugar ao sol da fama, à custa da notoriedade, do poder e do dinheiro de Carlos Castro.

Desde logo, há, aqui, várias peças que não se encaixam bem: um já terá atingido a idade da reforma, outro, é um jovem; um reclama-se de homossexual, outro, é heterossexual; um, é detentor de dinheiro, poder e fama, outro busca fama e dinheiro.

Cada um terá jogado com os seus trunfos, sendo que Carlos Castro está, à partida, em vantagem, tornando o manequim dependente e sem as armas do dinheiro que lhe poderia ter dado um certo ascendente. Assim, o jovem, ambicioso, terá visto, da parte do seu companheiro, alguma benesses ou favores gorados ou recusados, sem ter defesa para os alcançar.  

Nestas circunstâncias em que o fiel da balança pedia mais para o lado de Carlos, Renato terá visto recusados alguns dos seus pedidos, depois tornados exigências, que Carlos não teria satisfeito, por se considerar dono e senhor, o elemento, aparentemente, mais forte. Renato, porém, ter-se-à valido da força da sua juventude e do facto de se gorarem a pouco e pouco as suas esperanças. Daí, talvez, tenha chegado a uma situação de decepção: às grandes esperanças sucedeu, porventura, o desespero.

O local distante da pátria, a falta de um conselho de amigo e a dificuldade de fuga para o seu meio familiar, por falta de meios financeiros, tê-lo-iam levado a um estado de desespero que lhe obnubilou a racionalidade e o levou a cometer o acto tresloucado que veio a acontecer.

Este caso é paradigmático e um alerta: um caso paradigmático daquilo que pode acontecer, quando há a pretensão de se alcançar uma meta muito ambiciosa e rápida num jogo desproporcionado de actores e um alerta para os jovens que não medem os meios e os fins e se lançam de cabeça para conquistarem dois minutos de uma fama efémera. Porque a fama, para ser autêntica e duradoura, tem de ter por detrás um trabalho árduo, como em qualquer profissão e o mérito publicamente reconhecido. O que só se faz com tempo e trabalho persistente.

publicado por argon às 17:33
link do post | comentar | favorito
|

UMA PROCISSÃO DE PEDINTES

Cópia do meu último texto humorístico publicado no dia 15 dee janeiro de 2011:

 

           UMA PROCISSÃO DE PEDINTES

 

Neste dealbar do ano de 2011, eis um conjunto de facetas que mostram como este país é muito díspar na distribuição de rendimentos. E chega-se a este paradoxo: os que menos precisam, são os que mais têm e a contrária também é verdadeira. Com um Estado a favorecer os que mais têm.

JUSTIÇA

Ó meu rico Ano Novo,

Nos litígios, se és capaz,

Faz-nos célere justiça,

Para vivermos em paz.

 

DESEMPREGADA

Ó meu rico Ano Novo

Quão difícil é ser mulher!

Tira-me deste ‘farniente’,

E dá-me um emprego qualquer.

 

LADRÃO

Ó meu rico Ano Novo,

Não quero alterações de permeio:

Deixa tudo bem quietinho...

- É tão bonito o alheio!...

 

CORRUPTO

Ó meu rico Ano Novo,

                                                                               Inscreve-me no rol dos honrados:

                                                                                Eu fingirei ser honesto,

Com esquemas sofisticados.

 

                                                                                PROFESSOR

                                                                                Ó meu rico Ano Novo,

                                                                                Vê lá se tu és capaz:

                                                                                Restaurar-nos a dignidade

E restituir-nos a paz.

 

                                                                              BANQUEIRO

                                                                              Ó meu rico Ano Novo,

                                                                              Gosto muito de ser banqueiro:

                                                                              Nunca trabalhei tão pouco,

                                                                              Nunca fiz tanto dinheiro.

 

                                                                              UM DESALOJADO

                                                                              Ó meu rico Ano Novo,

                                                                              Não é assim que se actua:

                                                                              Tenho a casa quase paga,

                                                                                Porque me põem na rua?

 

                                                                              DONA DE CASA (DESESPERADA)

                                                                              Ó meu rico Ano Novo

                                                                              Não me metas em sarilhos:

                                                                              Dá-me o suficiente, cada dia,

                                                                              Para alimentar os meus filhos.

 

                                                                              CONTRIBUINTE

                                                                              Ó meu rico Ano Novo

                                                                              Vai dizer ao nosso primeiro:

                                                                              Quero saber, bem contado,

                                                                              Para onde vai o meu dinheiro.

 

                                                                              LADRÃO PROFISSIONAL

                                                                              Ó meu rico Ano Novo,

                                                                              Aos pobres, não volto mais:

                                                                              Vou roubar só os ricos,

                                                                              Aqueles que têm mais.

 

                                                                              BOY

                                                                              Ó meu Rico Ano Novo

                                                                              A cabeça tens tu na lua?

                                                                              Conserva o primeiro-ministro,

                                                                              Senão, lá vou eu p’ra a rua.

 

                                                                              BOMBEIRO

                                                                              Ó meu rico Ano Novo,

                                                                              Não me tires o meu pão:

                                                                              Manda, quantos mais, melhor,

                                                                              Muitos fogos, no Verão.

 

                                                                              ENGRAXADOR

                                                                              Ó meu rico Ano Novo,

                                                                              Receio a carestia;

                                                                              Manda muita chuva ácida,

                                                                              Para aumentar a freguesia.

 

                                                                              SINDICALISTA

                                                                              Ó meu rico Ano Novo

                                                                              Leva o país ao pior:

                                                                              Não quero ir pró desemprego,

                                                                              Quanto mais greves, melhor.

 

                                                                              VOLUNTÁRIA

                                                                              Ó meu rico Ano Novo,

                                                                              A Deus, eu peço perdão;

                                                                              Faz dos dinheiros que há,

                                                                              Uma melhor distribuição.

 

                                                                              AGRICULTOR

                                                                              Ó meu rico Ano novo,

                                                                              Traz bom tempo, de uma vez;

                                                                              Acaba com as importações,

                                                                              E consuma-se português.

 

                                                                              CLIENTE DE SUPERMERCADO

                                                                              Ó meu Rico Ano Novo,

                                                                              Também esta coisa eu quero:

                                                                              Não sejam mais caros os produtos

                                                                              De aumento de IVA zero.

 

                                                                              AUTOMOBILISTA 1

                                                                              Ó meu rico Ano Novo,

                                                                              Vou pôr o carro no estaleiro;

                                                                              Não é falta de gasolina,

                                                                              - O meu carro anda a dinheiro!

 

                                                                              AUTOMOBILISTA 2

                                                                              Faz lá isto, ó Ano Novo,

                                                                              Uma coisa que nos anima:

                                                                              A gasolina ir a preços,

                                                                              mais p’ra baixo do que p’ra cima.

 

                                                                              VOZ DO POVO

                                                                              Ó meu rico Ano Novo,

                                                                              Para que tenha sossego,

  Acaba com essa crise

  E diminui o desemprego!

 

VENDEDOR DE

CHAPÉUS-DE-CHUVA

Ó meu rico Ano Novo,

A crise já chega aos céus;

Manda muita, muita chuva,

P’ra vender muitos chapéus.

 

UM ESPECULADOR

Ó meu rico Ano Novo,

A crise é o meu anseio;

É nos momentos de crise

Que eu ganho mais dinheiro.

 

OS POBRES E OS RICOS

Os pobres só vêm contas

De somar e subtrair;

Os ricos, de multiplicar

E não gostam de dividir.

 

O RICO E O POBRE

Ó meu rico Ano Novo,

É isto que já pressinto:

O rico alarga os lucros,

O pobre aperta o cinto!

 

A EUROPA DOS DINHEIROS

A Europa, com a adesão,

Mandou-nos muitos dinheiros;

Agora, quer que paguemos...

- Fizeram de nós caloteiros!

 

PARADOXO 1

Carros e hotéis de luxo

Foi um ver se te avias!

Foi um fartar vilanagem,

Com filas e correrias.

 

PARADOXO 2

Eis o país bipolar

Que nem a todos consome:

Uns vivem na opulência,

Crianças e velhos com fome!

 

PARADOXO 3

Mas em que país estamos?

Digamo-lo com desgosto,

- Onde a beleza não paga,

E a pobreza paga imposto!

 

ARGON

*

 

ZÉ PORTUGA

 

Os almanaques, os Borda d’Águas e seus congéneres, continuam a fazer exercícios de futurologia o que, na linguagem de almanaque, se chama «Juízo do Ano.» Como dizia o outro, é difícil fazer previsões, sobretudo, quanto ao futuro.

Em todo o caso, o ‘Zé Portuga’ arrisca prever o que nos irá acontecer neste ano de 2011. Esperemos que se engane.

 

O Governo, qualquer que seja,

Continua a dar prejuízo;

Este é o ‘juízo do ano’.

Mas ... quando, o ano do juízo?

 

Argon

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por argon às 17:27
link do post | comentar | favorito
|

.Argon

.pesquisar

 

.Maio 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. QUERO SER UMA TELEVISÃO

. O ANDARILHO VAGAMUNDO

. BODAS DE OURO MATRIMONIAI...

. A GUERRA MODERNA POR OUTR...

. DEUS, SUA VIDA, SUA OBRA

. UM CONTRASTE CIONTRASTANT...

. FALEMOS DE LIVROS

. TENHO UMA PALAVRA A DIZER

. AS CINQUENTA MEDIDAS - UM...

. O SÍTIO ATÉ ERA LINDO...

.arquivos

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

.favorito

. QUERO SER UMA TELEVISÃO

. O ANDARILHO VAGAMUNDO

. BODAS DE OURO MATRIMONIAI...

. A GUERRA MODERNA POR OUTR...

. DEUS, SUA VIDA, SUA OBRA

. UM CONTRASTE CIONTRASTANT...

. FALEMOS DE LIVROS

. TENHO UMA PALAVRA A DIZER

. AS CINQUENTA MEDIDAS - UM...

. O SÍTIO ATÉ ERA LINDO...

blogs SAPO

.subscrever feeds