Segunda-feira, 23 de Agosto de 2010

A PESADA HERANÇA

É o seguinte o texto que, hoje mesmo, enviei para o Diário de Notícias. Sónão sei se será publicado. Amanhã digo.

Um abraço:

hOJE É JÁ HOJE E POR ISSO, ESTOU EM CONDIÇÕES DE DIZER QUE O D.N. PUBLICOU O MEU TEXTO SÓ QUE O TRUNCOU E LHE OMITIU PARTE IMPORANTE.

NA VERDADE SÓ PUBLICOU A PARTE QUE EU ASSINALO A BOLD.

Já enviei uma carta ao director do D.N. por este assassinato. Eu preferia que não tivesem publicado. Já tem acontecido que, quando eles não me publicam um texto, eu o envio para a Público e eles publicam na totalidade. nunca me suprimiram nenhuma parte de texto.

 

 A PESADA HERANÇA

 

Tenho lido muito, tenho assistido a muitos debates, tenho visto os chefes dos partidos falarem sobre a situação do país. Tem-se falado da crise na Justiça, da crise na Educação, do agravamento do desemprego, da falta de crescimento da economia, do endividamento das famílias, do aumento do número de ricos, dos fogos, do aumento da carga fiscal e da engorda cada vez mais acentuada do Estado. Mas parece que anda toda a gente muito distraída a discutir estes problemas que nos afligem – e de que maneira, mas há um problema mais grave do que todos estes que, uma vez resolvido, seria mais fácil resolver os restantes, problema que só será motivo de debate quando chegar a hora de tocar a rebate e quando deixar de ‘correr o leite e o mel’ que vem da CE, ou quando os nossos credores externos, deixarem de nos emprestar dinheiro.

Refiro-me à nossa dívida externa que é a maior ameaça ao Estado Social de que o partido socialista nem quer ouvir falar, da qual pagamos juros de milhões, por não podermos diminuir e menos saldar a dívida, na totalidade.

Nunca ouvi o primeiro-ministro que vive num mundo etéreo, daí o seu eterno sorriso escancarado, nem os outros partidos, preocupados com este assunto, que seria motivo para obrigarem o governo a reduzir o nosso endividamento externo. Em vez disso, entretêm-se em guerras do alecrim e da manjerona, a discutir o sexo dos anjos, ou a guerrearem-se com acusações recíprocas, em vez de unirem forças para resolverem os problemas concretos que afligem os portugueses que estão cada vez mais empobrecidos.

A verdade é que estamos a viver à custa do dinheiro alheio e a importar mais do que exportamos.  

Assim sendo, as más políticas económicas vão transmitir à gerações vindouras a pesada herança das dívidas que esta geração não será capaz de saldar, mas que, nem por isso, deixa de fazer, fazendo com que elas venham a ficar mais pobres do que nós.

publicado por argon às 16:32
link do post | comentar | favorito
|

.Argon

.pesquisar

 

.Maio 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. QUERO SER UMA TELEVISÃO

. O ANDARILHO VAGAMUNDO

. BODAS DE OURO MATRIMONIAI...

. A GUERRA MODERNA POR OUTR...

. DEUS, SUA VIDA, SUA OBRA

. UM CONTRASTE CIONTRASTANT...

. FALEMOS DE LIVROS

. TENHO UMA PALAVRA A DIZER

. AS CINQUENTA MEDIDAS - UM...

. O SÍTIO ATÉ ERA LINDO...

.arquivos

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

.favorito

. QUERO SER UMA TELEVISÃO

. O ANDARILHO VAGAMUNDO

. BODAS DE OURO MATRIMONIAI...

. A GUERRA MODERNA POR OUTR...

. DEUS, SUA VIDA, SUA OBRA

. UM CONTRASTE CIONTRASTANT...

. FALEMOS DE LIVROS

. TENHO UMA PALAVRA A DIZER

. AS CINQUENTA MEDIDAS - UM...

. O SÍTIO ATÉ ERA LINDO...

blogs SAPO

.subscrever feeds