Quinta-feira, 17 de Março de 2011

UM CONTRASTE CONSTRASTANTE

CÓPIA DO TEXTO QUE PUBLIQUEI NO PASSADO DIA 15 DESTE MÊS:

 

UM CONTRASTE CONTRASTANTE

 

Ainda está bem viva na memória dos portugueses a história daquela senhora idosa que esteve fechada em casa, morta, durante nove anos. E o caso aconteceu na Rinchoa, terra onde vivo há mais de 30. Desde então, não têm faltado relatos de outros casos semelhantes de pessoas que são encontradas em casa mortas e fechadas, embora poucos dias. Lembro-me que foi preciso aparecer na imprensa a notícia do primeiro caso de pedofilia para, todos os dias, aparecerem mais casos.

 

 

Pelo país, depois deste caso, têm-se multiplicado as boas intenções por parte de particulares e poderes públicos, para dar remédio, em tempo oportuno, a situações semelhantes, com vista a evitarem-se, a todo o custo, situações como estas.

E têm aparecido, até, textos que, pondo o dedo na ferida, comparam, em contraponto, estas situações de abandono de idosos, a viver sós e abandonados, aos cuidados com que são tratados os reclusos nas prisões.

Ora reparem no tratamento diferenciado, num caso e no outro:

Que diriam, se cada idoso, como têm os presos das cadeias, por direito, tivesse:

Um quarto reservado só para si; assistência médica e tratamentos grátis; gente ao seu serviço 24 horas por dia, não só para lhe servirem as refeições, como para lhe prestarem qualquer tipo de apoio físico, ou psicológico, de que venha a precisar; ter as refeições variadas e prontas a horas certas e servidas no seu quarto; ter quarto, casa de banho e um pátio para passeios e exercícios, ao ar livre, rodeado por um belo jardim; ver televisão e jogar o que quiser; ter acesso a uma biblioteca, sala de ginástica, fisioterapia; ter ensino e assistência jurídica gratuitos, mediante simples pedido; ter uma retrete privativa; poder receber visitas da família e dos amigos, em lugar especial; ter todas as despesas de comida e tratamentos médicos gratuitos; ter um corpo de seguranças permanente, dia e noite, estando, portanto, imune a qualquer tipo de ataque, roubo, ou assalto; ter direito a computador, rádio e televisão; ter ao seu serviço um «conselho» para ouvir denúncias de ofensa aos seus direitos, estando abrangidos, os seus protectores, por um código de conduta; poder estar doente com direito a ser transferido para o hospital, onde lhe é prodigalizada, gratuitamente, toda a sorte de remédios e cuidados clínicos, bem como toda a espécie de exames; poder fazer parte de uma equipa de futebol ou ter acesso a outros tipos de competição, como jogar às damas, às cartas, ao xadrez, na maior das seguranças possível; ter direito a advogado, para defender os seus interesses e direitos que têm de ser-lhe reconhecidos e, de modo nenhum, podem ser suprimidos ou ofendidos; e, se se portar bem, pode, até, ver-se premiado de regalias que não se oferecem a qualquer outro mortal, e pode, até, vir a ser notícia porque sempre se comportou bem e nunca recalcitrou contra o bom tratamento de que sempre beneficiou, sem o merecer; não pagar renda de casa, nem qualquer tipo de imposto imobiliário ou outro. E mais: pode estar seguro que ali, nunca entrará a crise, por mais grave que ela seja, porque estará sempre imune a qualquer medida de austeridade a que estão sujeitos todos os portugueses; por outro lado, estar em situação semelhante à de um reformado, sem a obrigatoriedade de trabalhar ou andar à procura de emprego. Finalmente, digamos que está em paz com o fisco e com a justiça que já fez o seu trabalho, ao atirá-lo para a situação descrita;

A forma de assistência e tratamento nunca poderão sofrer qualquer restrição, porque os impostos de todos os portugueses podem faltar para cobrir as necessidades dos idosos pobres e em estado de solidão, mas nunca faltará, para esta espécie de pessoas.

Finalmente, digamos que tem ao seu serviço uma estrutura humana e administrativa hierarquizada, constituída por uma cadeia de pessoas exclusivamente apostadas no bom funcionamento da instituição prisional, tendo que prestar contas do exercício da sua actividade e podendo ser responsabilizada por qualquer falha ou anomalia que possa ocorrer.

2. No entanto, há uma classe de pessoas – os idosos de que falamos que, apesar de pobres e abandonados pelos familiares e pelo Estado, está sujeito aos seguintes condicionamentos:

- ver os impostos bater-lhe à porta e ter que suportar as restrições da crise;

- pagar do seu bolso toda a espécie de despesas de sustento e de habitação e remédios de que venha a precisar;

- viver sem o apoio de um sistema de vigilância que lhe proteja a vida e os bens, durante 24 horas;

- não ser visitado pelos seus familiares, encontrando-se em estado de solidão;

- não ter quem lhe faça a limpeza do quarto e os cuidados de higiene de que precise;

- ter que cozinhar as suas próprias refeições, se quiser comer uma refeição quente;

- não ter quem lhe faça as compras;

- não ter assistência jurídica gratuita

Bem pode queixar-se, que é o mesmo que bater a uma parede e receber um silêncio de chumbo.

Nunca cometeu nenhum crime, nunca foi um perigo para a sociedade, pelo contrário, cumpriu sempre as leis do seu país, respeitou sempre os outros, trabalhou toda uma vida e, finalmente, reduzem-lhe o salário, para pagar os custos das prisões.

É claro que toda a gente prefere as incomodidades de um idoso, porque a liberdade que falta aos reclusos, constitui o melhor ornamento de uma sociedade livre e democrática como é a nossa a que nos orgulhamos de pertencer. Os presos estão em segurança, é verdade, mas falta-lhes a liberdade.

Mas aos idosos faltam duas coisas: carinho e ajuda.

E como não podemos modificar as coisas, nem inverter as duas situações descritas, temos que prestar atenção a estes casos de idosos sós e abandonados, para os protegermos e ajudarmos, o que é um dever de todos nós.

Mas a verdade é esta, por mais voltas que lhe dermos:

Ao idoso isolado:

Se for rico, não lhe faltarão familiares e amigos; se é pobre, será esquecido e desprezado pela sociedade.

Que sociedade, Deus meu!

ARGON

*

O ZÉ PORTUGA

 

Vejam, como os valores desceram nesta democracia da vergonha:

DANTES, dizia-se e cumpria-se:

O DEVER, ACIMA DE TUDO!

AGORA diz-se e pratica-se:

ACIMA DE TUDO, DEVER!

*

 

publicado por argon às 23:16
link do post | comentar | favorito
|

.Argon

.pesquisar

 

.Maio 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. QUERO SER UMA TELEVISÃO

. O ANDARILHO VAGAMUNDO

. BODAS DE OURO MATRIMONIAI...

. A GUERRA MODERNA POR OUTR...

. DEUS, SUA VIDA, SUA OBRA

. UM CONTRASTE CIONTRASTANT...

. FALEMOS DE LIVROS

. TENHO UMA PALAVRA A DIZER

. AS CINQUENTA MEDIDAS - UM...

. O SÍTIO ATÉ ERA LINDO...

.arquivos

. Maio 2012

. Janeiro 2012

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

.favorito

. QUERO SER UMA TELEVISÃO

. O ANDARILHO VAGAMUNDO

. BODAS DE OURO MATRIMONIAI...

. A GUERRA MODERNA POR OUTR...

. DEUS, SUA VIDA, SUA OBRA

. UM CONTRASTE CIONTRASTANT...

. FALEMOS DE LIVROS

. TENHO UMA PALAVRA A DIZER

. AS CINQUENTA MEDIDAS - UM...

. O SÍTIO ATÉ ERA LINDO...

blogs SAPO

.subscrever feeds